António Simões Pinto
Artigos do Governador 2024/25

Mensagem Mensal do Governador – Julho

É URGENTE A PAZ!

O início de um novo ano rotário vem sempre abundante em entusiasmo, em novas ideias e em vontade de fazer. Este ano 2024-25 não é diferente. Estou certo da necessidade de continuarmos a fortalecer o quadro social dos clubes, apostando na admissão de mais mulheres, de mais jovens e, em geral, de mais pessoas de bem que gostam de servir.

Crescer em diversidade, fazê-lo com equidade, sendo inclusivos, é obrigatório. Ninguém poderá ver a sua vontade de ser rotário coartada por quaisquer razões de raça, género, orientação sexual, religião ou caraterísticas físicas.

Cada ano que começa relembra-nos quão fundamentais são a nossa generosidade, a nossa dádiva e a nossa disponibilidade. Olhando para trás no tempo, não vislumbro nenhum ano em que pudesse ter sido possível suspender a atividade rotária. O mundo precisa de nós, tenhamos a consciência dessa certeza.

Daqui decorre a necessidade de termos uma Fundação Rotária cada vez mais sólida e isso só se consegue através das nossas doações e do nosso trabalho dedicado.

Muitos rotários dão por si a pensar que o combate à poliomielite está esgotado, talvez por ser uma doença que, salvo em muito poucos países, está erradicada há décadas e que, por isso, não nos apoquenta. Nada de mais errado! É verdade que, desde o lançamento da Iniciativa Global de Erradicação da Pólio, conseguimos reduzir os casos em 99,9%, é verdade que investimos mais de 2,1 mil milhões de dólares e incontáveis horas de trabalho, é verdade que protegemos 3 mil milhões de crianças da paralisia infantil em 122 países, mas este nosso combate, agora bem mais perto de terminar, precisa de continuar até que possamos respirar de alívio e sentirmos que esta nossa missão terminou. É um compromisso de Rotary e os rotários são pessoas de compromissos. Vamos até ao fim!

O companheirismo sempre nos caraterizou, mas devemos ter presente que a sua elevação ao patamar da amizade irá fortalecer a nossa satisfação, a nossa realização pessoal, o nosso sentimento de pertença ao clube e, consequentemente, a este fantástico movimento que une, no mundo inteiro, cerca de um milhão e quatrocentos mil seres humanos.

O nosso trabalho deve ser dado a conhecer. O orgulho de sermos rotários deve impelir-nos a mostrar tudo o que os nossos clubes fazem na comunidade e tudo o que, em geral, Rotary faz no mundo. A marca Rotary precisa de ser mais conhecida e está nas nossas mãos e no nosso exemplo melhorar a nossa imagem pública.

O ano que agora começa convoca-nos a abraçar com especial força o tema fundamental da paz positiva. A paz em cada um de nós, a paz com o outro, a paz nas nossas famílias, nas nossas comunidades e entre as nações. Nos tempos conturbados que atravessamos, em que guerras abalam o modo de vida a que estamos habituados, a ação de cada rotário é fundamental e insubstituível. Mas precisamos entender que a paz não é apenas a ausência de guerra. O conceito de paz positiva diz-nos que devemos ver, escutar e dialogar, de modo a podermos contribuir para uma sociedade harmoniosa, caminhando para a satisfação geral das necessidades básicas e para a erradicação das desigualdades entre os povos.

Esta é a nossa essência, fundada nos valores que, bem perto de atingirmos os 120 anos de existência, continuam a caraterizar o Rotary. Nós somos assim e assim gostamos de ser!

A Magia do Rotary só se alcança com trabalho e dedicação, feitos com amizade e alegria.

Empenharmo-nos na construção da paz através da nossa ação é o convite que faço a cada um de Vós, Companheiros e Amigos, desejando-vos um inesquecível ano rotário!

António Simões Pinto, Governador do Distrito 1970